Soluções para incentivos e premiação

A marwan®| marketing & comunicação refrescou e actualizou a oferta de soluções para premiação e incentivos.

Novas marcas e novos produtos aumentam o leque de opções para a criação de catálogos de prémios a utilizar em acções de premiação, motivação e fidelização.

A oferta abrange prémios de diversas marcas, segmentos e valores, separados por temáticas, e podem ir dos prémios físicos até aos prémios pagos através de cartões bancários pré-pagos, carregados à medida de cada necessidade, uma das soluções, actualmente, mais utilizadas pela sua facilidade e simplicidade de utilização.

O serviço integrado prestado pela marwan® nesta área contempla a gestão de bases de dados de participantes, a gestão logística de toda a operação desde a compra à entrega de cada prémio, até à análise de resultados de acordo com os objectivos traçados em conjunto com o cliente.

Maior visibilidade e maior notoriedade para as marcas e para os objectivos de cada cliente é o que se pretende alcançar com a oferta de um produto integrado, de solução transversal no mercado, de forma a apresentar acções de incentivo e de premiação assertivas e geradoras de retorno.

marwan_premiacao_Imarwan_premiacao_IImarwan_premiacao_IIImarwan_premiacao_IIII

A importância do marketing de conteúdos

Será que se discute verdadeiramente a importância dos conteúdos, de sites ou de redes sociais, ou as empresas (e as pessoas que estão por detrás delas) apenas estão interessadas em que a sua marca “apareça”?
Se é assim, fazem mal. Muito mal.
Hoje não basta aparecer. Tem que se mostrar conteúdo. Mas conteúdo interessante, conteúdo que informe, objectivamente, algo que os potenciais compradores de uma marca queiram saber. Algo que os prenda à marca, algo que os cative, que os motive a ler a mensagem e, muito importante, algo que os incentive a partilhar essa informação.
Por isso não basta estar. Não basta aparecer.
A importância do conteúdo é fundamental para a comunicação e, sobretudo, para a boa comunicação.
Objectividade, rigor e seriedade na informação vinculada é algo que um consumidor informado, hoje, pretende das marcas e das empresas onde potencialmente irá adquirir produtos ou serviços.
Na marwan levamos as necessidades de comunicação de uma marca muito a sério e articulamos com cada cliente a estratégia de comunicação a implementar para cada meio e em cada plataforma.
Soluções de comunicação para marcas, serviços e produtos.
Contacte-nos para saber o que podemos fazer pela comunicação da sua empresa ou da sua marca.
marwan | marketing & comunicação, somos pela comunicação eficaz.

Imagem

Ano novo, objectivos novos?

É comum estabelecerem-se novos objectivos no início de cada novo ano.
No que às empresas diz respeito, que é o que interessa aqui abordar, muitos dos “novos objectivos” não passam de objectivos por cumprir do ano anterior.
Mais do que estabelecer metas e esses “novos objectivos”, uma empresa tem que analisar se cumpriu ou não os anteriores e, se não, porque é que não os cumpriu.
Respostas como: “vende-se menos”, “vende-se pouco” ou “é a crise”, não justificam o incumprimento de objectivos por si só, logo, empurrar esses mesmos objectivos mais um ano é apenas adiar a análise e adiar a necessidade de tomar decisões.
Quando falamos de objectivos, no que à nossa área diz respeito, podemos abordar o tema de várias perspectivas.
Alguns exemplos:
Objectivos comerciais – directamente ligados ao desempenho do departamento comercial ou da rede de vendas.
Objectivos estratégicos – relacionados com a posição da própria empresa no mercado interno ou externo.
Objectivos de posicionamento – ligados à percepção que a empresa deverá ter em relação aos seus produtos ou aos seus serviços, relativamente à concorrência e ao seu posicionamento no mercado onde se insere.
No que à nossa área de actuação diz respeito, muitos dos objectivos que uma empresa estabelece podem e devem ser alcançados com uma boa estratégia de marketing e com um bom plano de comunicação.
É por isso que na marwan, quando trabalhamos um cliente, analisamos que objectivos o cliente quer alcançar e definimos, em conjunto, que ferramentas vamos usar para alcançar esse objectivo ou para motivar a equipa a lutar por ele.
Elaboramos o plano de marketing e criamos o plano de comunicação à medida do cliente, dos seus serviços ou produtos, tendo em conta o posicionamento da empresa no mercado – existente e pretendido.
Criamos planos de motivação interna com programas de incentivos adaptados às características de cada negócio e às especificidades das equipas envolvidas.
Comunicar bem, com clientes ou até com as equipas internas, é meio caminho para que a estratégia seja bem implementada e isso, por vezes, obtém-se com um bom plano de comunicação.
Na marwan | marketing & comunicação, desmistificamos o marketing e adaptamos as ferramentas necessárias para alcançar os objectivos do cliente. Apenas precisamos que o cliente estabeleça objectivos que queira alcançar.
marwan | marketing & comunicação.
Somos pelo marketing que funciona!

Imagem

Já estamos no Facebook! … e agora?

Esta é uma pergunta que muitas empresas deveriam fazer em relação à sua presença no facebook ou noutras redes sociais.

A facilidade com que qualquer empresa hoje pode marcar presença nos meios digitais, onde as redes sociais são um dos principais meios, veio, por outro lado, revelar imensas dificuldades de comunicação e de linguagem até agora mais ou menos desconhecidas.

“Estar” na internet nos dias de hoje não tem que ser necessariamente caro para ser bom e para ser eficaz. Há até formas dessa presença ser gratuita e servir na perfeição os interesses da empresa ou da marca.

Mas o que se nota é que quanto maior é o leque de ferramentas, de opções e de soluções para que uma empresa apareça nos meios digitais, maior é a probabilidade de comunicar com erros, de forma pouco eficaz ou de forma deficiente.

Quantas vezes já lemos publicações de marcas ou de empresas com erros de português? Isto é mortal para a notoriedade de uma marca ou de uma empresa.

Comunicar bem é tão importante como ter um bom produto ou prestar um bom serviço. É tão importante como atender os seus clientes e recebê-los nas suas instalações.

Comunicar uma marca, uma empresa, um serviço ou um produto para que o cliente ou um potencial consumidor adquira esse produto ou esse serviço, para que compre a marca ou conheça a empresa, é o primeiro passo de um longo caminho até à fidelização do cliente ou, no mínimo, até à satisfação do cliente para com essa marca ou essa empresa.

Este acto, vulgarizado nos dias de hoje com a democratização do acesso às redes sociais e os baixos custos de presença na internet, é algo que as empresas necessitam cada vez mais para se afirmarem perante o mercado e a concorrência, mas que terá que ser bem feito para se destacar, pela positiva, precisamente da sua concorrência.

Há variáveis que as empresas têm que assumir e assimilar para que se destaquem no mercado concorrencial: ter um bom produto ou um bom serviço, ter preço que lhe permita competir com a concorrência e comunicar bem e de forma eficaz.

Voltamos a dizer que esta comunicação não tem que ser cara! Tem é que ser bem feita!

Na marwan, como somos pelas coisas que funcionam, nomeadamente pelo marketing e pela comunicação que funcionem de forma eficaz, prestamos este tipo de serviço.

Ajudamos as empresas e as marcas a comunicar, quando comunicar, o que comunicar e, muito importante, por vezes o que não comunicar.

Contacte-nos e ponha-nos a trabalhar na sua marca, no seu produto ou no seu serviço.

Somos pela comunicação que funcione!

MARWAN DESENVOLVE COMUNICAÇÃO DA CIDADE ROMANA DE AMMAIA

A marwan foi a agência escolhida pela Fundação Cidade de Ammaia para a dinamização da área comunicacional, ficando responsável pela gestão dos perfis nas redes sociais e ainda pela gestão do site/blog www.fundacaoammaia.wordpress.com.

A marwan vai ainda colaborar na promoção e na divulgação dos espaços da Fundação e do Museu Cidade Romana de Ammaia com o objectivo de dinamizar a área de eventos.

A agência ficou também responsável pela gestão de contactos com parceiros, sponsors e patrocinadores e ainda pela gestão de contactos com os media e comunicação social.

A aposta da marwan neste projecto prende-se com a estratégia da agência em alcançar clientes onde possa desenvolver e fornecer serviços de marketing comunicacional, gestão da comunicação e gestão de meios.

Um dos objectivos da marwan é expandir a sua carteira de clientes, não apenas a clientes empresariais, mas também a instituições como a Fundação Cidade de Ammaia e a outro tipo de organizações, com ou sem fins lucrativos.

MARWAN NO ESPAÇO COWORK MARVÃO

A marwan está desde dia 6 de Setembro a ocupar o espaço Cowork no Ninho de Empresas de Marvão, sendo a primeira empresa do concelho a fixar-se naquele espaço.

Criado pela autarquia para dar resposta às necessidades do mercado e das novas empresas, o Cowork Marvão pode muito bem ser uma incubadora de ideias e de novos projectos.

Para saber o que a marwan pode fazer pelo marketing ou pela comunicação da sua empresa ou da sua marca, visite o nosso site em www.marwan.pt ou envie-nos um e-mail para geral@marwan.pt e peça-nos uma reunião.

Na marwan simplificamos o marketing para que funcione.

COWORK

A marwan foi a primeira empresa, do concelho de Marvão, a manifestar a intenção de se instalar no Espaço Cowork, que a Câmara Municipal de Marvão criou no Ninho de Empresas e que entrará em funcionamento a partir do dia 6 de Setembro.

O conceito de Coworking nasceu em São Francisco, nos Estados Unidos, e tudo começou na casa onde moravam três freelancers, quando permitiram que outros profissionais partilhassem o espaço para trabalhar durante o dia.

Durante anos, o conceito foi apenas para alguns nichos de mercado e de profissionais mas tornou-se, actualmente, numa tendência de nível global.

Como é explicado, e muito bem, no livro Harvards Trends 2013 de Pedro Barbosa, o conceito de Coworking é utilizado hoje por profissionais liberais, freelancers das mais diversas áreas, como design, comunicação ou jornalismo. É também utilizado por profissionais de diversas empresas, ou que estão deslocalizados das suas sedes ou até por profissionais que preferem os ambientes de Coworking para sentir o pulso e a constante inovação que surge em ambientes deste género.

O objectivo deste conceito é manter no mesmo espaço – defina-se escritório – um conjunto de profissionais de micro ou de pequenas empresas, de diferentes áreas, idealmente não concorrentes entre si, mas que, pelo facto de partilharem as mesmas instalações formam como que um grupo empresarial com diversas valências e áreas de actuação. Cada profissional gere a sua actividade ou a sua empresa de forma autónoma, tem os seus clientes, tem os seus projectos, tem os seus fornecedores, mas conta com uma espécie de rede de parceiros, muitas vezes complementares ao seu negócio, dentro das instalações onde está inserido. Em suma, é como se o resultado final permitisse uma rede de serviços tão ampla e alargada quanto o número de Coworkers que “habitam” o mesmo espaço.

Este conceito traz vantagens, não só a nível de custos, a partir do momento em que muitas das despesas são repartidas por todos os Coworkers e que de uma forma isolada tenderiam a ser incomportáveis, como também a nível de partilha de contactos, conjugação de sinergias e na facilidade e rapidez com que se conseguem estabelecer parcerias com uma finalidade e um objectivo comum.

Atenta a estas tendências, a marwan, agência especializada em soluções de marketing para empresas, só podia aderir, desde a primeira hora, a um conceito deste género no concelho de Marvão, precisamente pelo facto de que o Espaço Cowork Marvão deverá ser isso mesmo. Um espaço de partilha de contactos, conjugação de ideias e de sinergias e até uma incubadora de novas ideias e de novos projectos. Tudo isto num local onde, num único espaço, poderão existir vários tipos de soluções e de serviços. Da nossa parte, a marwan tudo fará para assegurar respostas nas áreas de marketing, comunicação, design, merchandising, eventos, entre muitos outros serviços.

De referir ainda que, apesar de este conceito estar já amplamente divulgado e implementado em Portugal, principalmente nas grandes áreas urbanas, o Espaço Cowork Marvão é o primeiro espaço de Coworking a ser implementado no Alentejo. 

Na marwan, somos por espaços que funcionem!

REDES SOCIAIS: UM TERÇO DAS EMPRESAS SEM ESTRATÉGIA DEFINIDA

O IPAM realizou um estudo no âmbito da pós-graduação em marketing digital que teve como amostra um painel heterogéneo de 308 profissionais, desde micro a grandes empresas.

O estudo apresenta resultados muito interessantes relativamente à presença das empresas portuguesas nas redes sociais.

96% estão presentes, pelo menos, numa rede social. Mas estarão presentes da forma correcta?

O estudo revela que uma em cada três empresas não tem uma estratégia definida para a sua presença nas redes. Esta é a principal conclusão sobre a forma como as empresas utilizam o marketing digital.

O Facebook é claramente o mais utilizado, com 36%, seguido pelo Linkedin, com 19% e o YouTube, também com 19%.

O estudo mostra ainda que em 56% dos casos é o departamento de marketing o responsável pela acção nos meios digitais, mas em quase um quarto das empresas (23%), sobretudo nas PME, esta acção ainda tem a gestão da gerência da empresa.

Esta realidade mostra bem como a maior parte das empresas portuguesas olha para as plataformas digitais e faz uso do marketing digital. Infelizmente, uma grande parte delas, mal.

Isto vê-se, claramente, na forma como as empresas, algumas, se promovem e se divulgam nas redes sociais, vê-se na forma como publicitam os seus produtos e os seus serviços, e vê-se ainda como informam os seus potenciais clientes da sua estrutura, da sua capacidade operativa ou produtiva e até da sua localização ou dos seus contactos.

Nos dias de hoje, as empresas começam a sentir que têm que estar presentes nas redes sociais mas muitas delas não sabem estar, não sabem como estar e, pior, não sabem para que estão.

Esta falta de estratégia é clara quando, por exemplo, descobrimos uma página de Facebook de uma marca ou de um produto e no perfil podemos saber que essa marca leu livros, vê filmes, joga e gosta de músicas! Pior, essa marca comenta e publica fotos de assuntos que nada têm a ver com a marca e que, na maior parte dos casos, não favorecem em nada a sua promoção ou a sua divulgação.

Isto acontece, obviamente, porque por detrás daquela marca está um gerente ou um proprietário da marca que, esquecendo-se que promove naquele perfil de Facebook uma marca ou um produto, comenta e publica fotos que nada têm a ver com a marca, mas comenta e publica como se aquele perfil fosse o seu perfil pessoal.

No fundo criam um perfil pessoal para promover uma marca mas continuam a usar esse perfil pessoalmente onde comentam umas coisa e promovem outras. Confusos?

Claro que sim! Por isso é que muitos perfis de Facebook são isso mesmo! Confusos, muito pouco esclarecedores e nada apelativos.

Um perfil de Facebook usado para promover uma marca não pode comentar nem partilhar fotos que não tenham a ver com a sua actividade, sob pena de se tornar pouco credível.

O que muito gestor de marcas e, por conseguinte, de páginas de redes sociais ignora é que tudo o que escreve, comenta e partilha nas redes, fica acessível nas redes para sempre. Tenha ou não a ver com a sua marca ou com o seu produto.

Esta confusão entre o perfil pessoal e profissional é comum e para as marcas que o fazem é muito pouco abonatório em relação à divulgação e à promoção que as mesmas pretendem fazer junto dos seus públicos-alvo.

Obviamente que todos sabemos que por detrás de um perfil de uma marca ou de um produto está alguém, uma pessoa, com gostos particulares em relação a tudo o que lhe aparece no seu feed de notícias. O que essa pessoa deverá compreender é que para fazer comentários pessoais deverá ter um perfil seu, pessoal. O perfil da sua marca e da sua empresa deverá servir apenas para divulgar a sua marca e promover os seus serviços, de forma profissional e não pessoal.

São estas estratégias de presença nas redes sociais, que muitas vezes não passam de regras de bom senso que, na marwan, ajudamos a implementar às marcas que se queiram promover de forma profissional, consciente e de forma credível.

Contacte-nos para saber o que podemos fazer pela sua marca ou pela divulgação dos seus produtos ou serviços.

Na marwan, somos pelas redes sociais que funcionam!

MERCHANDISING NÃO SÃO SÓ BRINDES!

Um dos erros frequentes na área de marketing é confundir-se merchandising com brindes publicitários.

Isto acontece pela associação, errada, que em tempos houve, sempre que se promovia o merchandising dos clubes.

Sem qualquer desprimor para o que chamamos de brinde publicitário, que tem também na área de marketing um valor importantíssimo, dependendo da acção que uma empresa ou que uma marca pretende fazer junto dos consumidores, o merchandising não é bem disso e não é só isso.

Por definição, o merchandising é uma ferramenta de marketing, constituída por um conjunto de técnicas, acções ou materiais, aplicados no ponto de venda para que proporcione ao consumidor determinados tipos de informação e leve esse consumidor a determinadas acções como por exemplo, motivar ou influenciar a compra de produtos.

O merchandising, propriamente dito, pode assumir várias formas. Publicidade, informação sobre promoções, disposição dos produtos, arrumação, luz, cores, temperatura e até a música ambiente podem ser técnicas de merchandising e funcionarem como motivação e influência, quando bem aplicadas no ponto de venda.

É portanto a este conjunto de técnicas que se chama merchandising.

Em algumas acções levadas a cabo no ponto de venda, como hipermercados por exemplo, é usual serem distribuídos alguns brindes da marca que promove essa acção. Também por este facto se começou a associar o brinde ao merchandising e a confundir merchandising com brindes.

Nos dias de hoje, em que a fidelização do consumidor às marcas é cada vez mais efémero, as técnicas de merchandising aplicadas no ponto de venda, seja ele um grande hipermercado, seja ele uma pequena loja de bairro, são importantíssimas se forem aplicadas de forma objectiva e se forem desenvolvidas com vista a alcançarem objectivos claros e bem definidos.

Os orçamentos, cada vez mais apertados de muitas empresas, empurram as estratégias de marketing para níveis em que a criatividade se tem que sobrepor à quantidade. Isto não é obrigatoriamente mau se as marcas desenvolverem, de facto, estratégias criativas na forma como chegam aos seus consumidores e na forma como tentam sensibilizar os consumidores a consumir a sua marca em vez de consumirem a marca do seu concorrente.

Em última análise, e se todo o processo for bem conduzido, o consumidor sai sempre a ganhar por vários motivos. Porque fica mais informado, porque pode obter algo extra com o produto que adquire e porque pode obter mais produto pelo mesmo valor ou até por menos valor.

Tentaremos num próximo post abordar esta temática das promoções das marcas uma vez que, por si só, são uma das técnicas cada vez mais utilizadas pelas marcas para conquistar novos clientes.

Quanto às técnicas, mais ou menos reconhecidas, utilizadas no merchandising, podemos listar e exemplificar alguns casos que as marcas, em conjunto ou de forma isolada, usam no ponto de venda por forma a sensibilizar os seus potenciais consumidores.

Há ainda as técnicas utilizadas pelos próprios pontos de venda, principalmente os grandes pontos de venda, vulgarmente conhecidos como grandes superfícies.

Ainda que não reconhecido de forma directa, o facto é que numa prateleira de supermercado um produto para estar no que se chama “ao nível das mãos” ou “ ao nível dos olhos” tem um custo maior do que se estiver na prateleira do cimo ou na do fundo. Porquê? Porque o consumidor muitas das vezes compra por impulso e compra o que está à frente dos seus olhos ou mais perto da sua mão. Logo, um produto para estar nesse posição tem que “pagar mais”, à loja, entenda-se, do que outro que não esteja tão acessível aos olhos ou às mãos do consumidor. Isto não quer dizer que o consumidor pague mais.

Esta técnica é tão verdade e tão real que o grau de não reconhecimento que as grandes superfícies fazem dela é enorme.

Outra técnica não menos interessante tem a ver com o ritmo da música que habitualmente se ouve nas grandes superfícies. Se formos às compras, num dia útil de semana, durante o dia, nas chamadas horas de expediente, a música ambiente é geralmente calma e com pouco ritmo, porque as pessoas que fazem compras a essa hora têm tempo livre e não têm a pressão de horários. Logo, fazem-no com calma e sem pressas.

Se, pelo contrário, formos às compras naquele período que antecede a hora de jantar, obviamente que o fazemos com um limite de tempo, à pressa, com a pressão da hora de jantar e por isso mesmo a música ambiente das grandes superfícies é mais acelerada e com mais ritmo para se enquadrar com o próprio ritmo com que as pessoas fazem as suas compras.

Estas técnicas, que passam despercebidas à maior parte dos frequentadores das grandes superfícies, estão estudadas, são calculadas e funcionam.

A juntar a isto existem técnicas como as de colocar produtos juntos, supostamente, relacionados uns com os outros, para que um condicione a compra do outro. Alguns exemplos básicos são os de colocar presunto junto de melão, colocar pacotes de natas junto de morangos ou até colocar pacotes de tostas junto de compotas. Porquê? Porque é básico juntarmos os dois, e quando compramos um, mesmo que não precisemos, acabamos por levar o outro. Nesse caso o objectivo foi alcançado.

Em próximos posts abordaremos novamente o merchandising e todas as suas envolventes.

Para saber mais sobre técnicas de merchandising adaptadas aos seus produtos ou ao seu negócio, contacte-nos.  

Na marwan, somos pelo merchandising que funciona!

A IMPORTÂNCIA DO COPYWRITING

Tal como já abordámos no post anterior, acerca da importância de uma empresa ter um site bem escrito e que funcione, o copywriting é de importância vital, não só num site, como em toda a comunicação que uma empresa crie para divulgar os seus produtos ou os seus serviços.

O paradoxo interessante no trabalho de um bom copywriter é que, se o seu trabalho for bem executado, esse trabalho não se vê, não se nota ou não se dá por isso.

Se lermos um texto bom, a mensagem passa e os objectivos, em certa medida, são alcançados, porque, supostamente, esse texto passou a mensagem que a empresa ou quem o redigiu pretendia.

Se lermos um texto mau, percebemos que o trabalho de copy falhou. E isso nota-se claramente. Esse texto dificilmente passará a mensagem que se pretende ou, no mínimo, passa uma mensagem errada.

O copywriting, por definição – e há muitas – é a arte de escolher bem as palavras e usá-las estrategicamente com o objectivo de que as mensagens prendam a atenção e o interesse de uma determinada audiência, de modo a incentivar essa audiência a executar uma determinada acção.

Em resumo, um copywriter deverá conhecer bem o produto e os serviços de uma empresa sua cliente e com base nesse conhecimento usar as palavras certas e a linguagem adequada para captar a atenção dos potenciais clientes dessa empresa.

A importância do copywriting é válida para websites, blogs, flyers e folhetos de empresas, anúncios de rádio ou televisão, catálogos, brochuras e até e-mails ou cartas de apresentação de produtos ou de serviços.

Um bom copywriter deve conhecer bem o seu cliente, estudar o mercado, definir os objectivos a atingir e conhecer o comportamento emocional do público que pretende alcançar.

É por este motivo que a marwan leva muito a sério o serviço de copywriting que faz para os seus clientes.

Um serviço de análise, profundo conhecimento do cliente e dos seus produtos e serviços e sobretudo um serviço de análise dos comportamentos do mercado.

Contacte-nos para saber mais sobre os nossos serviços.

Na marwan somos pelo copywriting que funciona!